Café especial: O que tem de especial nesse café?

    Café especial: O que tem de especial nesse café?

    café especial é suprassumo dos cafés?

    Quem vem acompanhando o blog e conhecendo melhor o universo sobre cafés uma hora ou outra vai se deparar com o termo café especial. Porque são cafés especiais? O que difere esse café dos demais? Vamos explicar… Antes de mais nada, para um café ser considerado “Café Especial” é necessária uma Certificação emitida por uma associação responsável, a BSCA (A Associação Brasileira de Cafés Especiais, sigla em inglês).

    A certificação é solicitada diretamente pelo produtor do café, as etapas para certificação são os seguintes:

    1ª etapa:

    O produtor deverá ser associado da BSCA e ter a propriedade certificada.

    2ª etapa:

    O associado deverá enviar uma amostra de 2kg do lote a ser certificado à BSCA.

    3ª etapa:

    A BSCA codificará esta amostra, enviará 200g a 3 classificadores (escolhidos por sorteio dentre o quadro de classificadores da BSCA) e ao responsável técnico da BSCA. O restante da amostra deverá ficar arquivado no laboratório da BSCA.

    4ª etapa:

    Os quatro classificadores avaliarão as amostras quanto ao tipo, cor aspecto, peneira e torra. Se a amostra for reprovada em qualquer um destes requisitos, ela será invalidada e não seguirá para o teste de grãos torrados e moídos.

    5ª etapa:

    A avaliação dos Grãos torrados e moídos é feita pelos mesmos classificadores por pontuação de 1 a 8 nos aspectos, bebida limpa, doçura, acidez, corpo, sabor, gosto remanescente e balanço geral, subtraindo-se os defeitos e somando 36. Para ser certificado o café deverá obter pontuação maior ou igual a 80 e nenhum parâmetro igual a zero.

    6ª etapa:

    As amostras aprovadas recebem o certificado BSCA e o próprio produtor paga pela emissão deste certificado.

    7ª etapa:

    O certificado é entregue ao produtor, que o repassa para o comprador (cliente) do lote de café certificado juntamente com o café.

    8ª etapa:

    O produtor que certificou o lote deverá informar à BSCA a empresa compradora do lote certificado, bem como a quantidade vendida e país de destino.

    9ª etapa:

    O comprador do lote de café certificado poderá adquirir selos do controle de rastreabilidade do processo de certificação BSCA. A BSCA fará a separação dos selos, de acordo com o peso das embalagens de venda (136g, 250g, etc), na proporção de 50 Kg por saca (devido à perda de peso durante a torra).

    Após as etapas concluídas e avaliadas finalmente o selo:

    Café especial selo - Encontrado nas embalagens do café!
    Selo de café especial encontrado nas embalagens do café!

    Qual a representatividade do café especial no mercado?

    De acordo com a BSCA, o segmento de cafés especiais representa cerca de 12% do mercado internacional da bebida. Os atributos de qualidade do café cobrem uma ampla gama de conceitos, que vão desde características físicas, como origens, variedades, cor e tamanho, até preocupações de ordem ambiental e social, como os sistemas de produção e as condições de trabalho da mão-de-obra cafeeira.

    Os cafés bem avaliados e classificados como Café Especial possui também um valor de venda maior. Varia entre 30% e 40% a mais em relação ao café cultivado de modo convencional. Em alguns casos, pode ultrapassar a barreira dos 100%. Para diferenciação dos cafés especiais, deve-se ter como base atributos físicos e sensoriais. Como a qualidade da bebida, que precisa ser superior ao padrão.

    Os cafés especiais são divididos em algumas categorias e avaliados de forma rigorosa, as principais são:

    Café de origem certificada:

    Está relacionado às regiões de origem dos plantios, pois alguns dos atributos de qualidade do produto são inerentes à região onde a planta é cultivada;

    Café gourmet:

    Grãos de café arábica, com peneira maior que 16 e de alta qualidade. É produto diferenciado, quase isento de defeitos;

    Café orgânico:

    É produzido sob as regras da agricultura orgânica. O café deve ser cultivado exclusivamente com fertilizantes orgânicos e o controle de pragas e doenças deve ser feito biologicamente. Apesar de ter maior valor comercial, para ser considerado como pertencente à classe dos cafés especiais, o café orgânico deve possuir especificações qualitativas que agreguem valor e o fortaleçam no mercado;

    Café fair trade:

    É aquele consumido em países desenvolvidos por consumidores preocupados com as condições socioambientais sob as quais o café é cultivado. Nesse caso, o consumidor paga mais pelo café produzido por pequenos agricultores ou sistemas de produção sombreados, onde a cultura é associada à floresta. É muito empregado na produção de cafés especiais, pois favorece a manutenção de espécies vegetais e animais nativos.

    Confira também> Açúcar no café, pode ou não pode?

    No final das contas, qual a finalidade do selo de Café Especial? Além de ser uma forma de controlar a qualidade da bebida serve como uma ótima referência de qualidade para o consumidor!

    Na dúvida da escolha por um bom café a procura pela certificação é uma saída. O selo agrega muito valor comercial ao grão e à origem do café! Vale dizer que não é uma obrigatoriedade para o produtor do café “selar” seu café e se sim é possível encontrar bons cafés mesmo sem o selo de Café Especial emitido pela BSCA. Porém o trabalho de identificar o café de qualidade é um pouco maior.

    Tudo gira em torno do consumo consciente. É importante saber a origem e todo o cuidado que foi considerado da produção à torra do café para enfim estar pronto ao consumo. O consumo consciente é muito válido no mundo dos cafés e muito compensador. Saber o que está tomando e reconhecer todo o trabalho e dedicação imposta para o melhor resultado na xícara faz do seu momento cafeinado muito mais especial, mais doce e prazeroso.

    Tomar bons cafés e conhecer novas possibilidades é o grande barato dessa paixão.

    fonte: www.bsca.com.br